10 de março de 2021

Por trás dos livros #2

A rubrica mais recente do blogue “A Marca da Marta” está de volta! Desta vez, o convite foi dirigido à Inês Mota, autora do blogue “Bobby Pins”. A Inês, para além de adorar ler, escreve super bem, por isso, fazia todo o sentido entrevistá-la e “trazê-la” para este cantinho. Assim sendo, vamos conhecê-la?

 

(Fotografia da autoria da Inês)

Para quem não te conhece do mundo blogosférico, quem é a Inês? Como te descreverias em poucas palavras?

Tenho 26 anos, sou licenciada em Nutrição mas trabalho em Marketing e sou a autora do Bobby Pins há 7 anos, um blog com o propósito de ser um espaço virtual seguro e de bem-estar para os meus leitores e onde partilho tudo o que me faz feliz.

Gosto muito do teu blogue e, por te seguir já há algum tempo, sei que adoras ler. Como surgiu esse gosto? Desde sempre que gostas de literatura?

Gosto de histórias desde que me conheço como gente. Ainda não sabia ler e não dispensava o momento das histórias de embalar com a minha mãe. Acho que isso ajuda muito a criar o gosto pela leitura. Além disso, os meus pais leem muito e cresci a vê-los a ler. Isso acaba por ter uma influência muito forte e creio que resultou comigo.

Que género de obra é que gostas mais de ler? E a que menos gostas?

Não sou esquisita, gosto da flexibilidade de mergulhar em qualquer género e descobrir coisas novas! Mas os dois géneros que mais costumo deixar para trás são a fantasia (que não me atrai muito) e os chamados ‘Clássicos’ (uma relação tremida que tenho de trabalhar).

Preferes ler obras de autores portugueses ou estrangeiros? Porquê?

A minha resposta mais imediata seria dizer que não tenho preferência (e, sinceramente, não tenho). Um dos meus autores preferidos é português e não tenho qualquer preconceito com a literatura portuguesa. Mas tenho consciência que acabo por ler mais autores estrangeiros. Também acho que sou um reflexo da pouca aposta no mercado em 1) autores portugueses (especialmente autores que lançam os seus primeiros livros) e 2) divulgar literatura portuguesa que não sejam Clássicos ou que encaixem numa elite literária que funciona numa media tradicional de egos mas que não resulta na maior parte dos leitores (e não-leitores) portugueses. Não descarto a minha responsabilidade enquanto leitora para ter a iniciativa de procurar livros que ressoem comigo e sejam portugueses, mas acho que falta uma mente mais aberta em Portugal para se falar de literatura nacional de multi-géneros. De aproximar as massas à literatura nacional através da diversificação de histórias e premissas.

Gostas mais de ler livros em português ou em inglês e porquê?

Acabo por ler mais livros em inglês porque leio muito no Kindle. 90% dos livros que leio é através do Kindle, que tem uma oferta muito maior nos e-books em inglês. Mas não me faz diferença ler em português ou inglês. Quando possível, tento ler na língua original do autor.

Qual o melhor livro que leste até ao momento? Que aspeto é que te fascinou nele?

A Breve História de Quase Tudo, do Bill Bryson. É um livro que engloba o universo da Ciência de uma forma próxima, acessível e muito bem disposta! A comunicação de ciência continua a pautar-se (muitas vezes, oportunisticamente) como um assunto pouco acessível às massas e, não raras vezes, com muita massagem de egos, colocando grandes personalidades da ciência em pedestais e sem esforço em dar uma nova leitura a certos conceitos. O Bill Bryson faz isso com um livro muito divertido mas também muito rico. Era o livro que eu gostava de ter lido quando estava na escola, cercada de manuais de ciências e física e química. É um livro que acho que todos devem ler, pelo menos, uma vez na vida.

Qual a obra que eras capaz de ler inúmeras vezes sem nunca te cansares?

O Diário de Anne Frank. É o meu livro preferido e já está gasto de tanto sublinhar e escrever nele (algo que não gosto de fazer nos livros mas abro todas as exceções para este). Li a versão definitiva e tenho um carinho absoluto por este livro. Raramente releio livros mas encontro sempre algo novo para refletir quando volto a abrir este livro, em diferentes fases da vida e estágios de maturidade.

Por fim, de que forma incentivavas uma pessoa que não gosta de ler a desfrutar de uma bela obra? O que achas que a levaria a mudar de ideias? Aconselharias alguma obra/escritor em específico para começar a entrar no mundo literário?

Acho que está tudo bem se algumas pessoas considerarem que a leitura não é para elas. Há milhares de atividades que acabamos por conhecer e concluir que não são para nós e não há razão para nos cobrarmos ou diminuirmos por isso. Mas, normalmente, quem não gosta de ler ainda não conheceu o seu tipo de livro ideal. Como disse acima, ainda estamos muito presos numa elite literária, onde ainda se discute o valor de um leitor, onde ainda há leitores ostracizados pelos livros que leem e isso não é sedutor para quem dá os primeiros passos na leitura. Portanto, aquilo que recomendo será entrarem neste mundo de mente aberta e sem medos do que vão gostar. Que falem com amigos leitores e que peçam para eles vos recomendarem livros com base na vossa personalidade e não nos gostos dos amigos (uma análise imparcial). Ou até que experimentem outros formatos, como os audiobooks (porque não?). Vivam o processo gradualmente; não tenham pressa em ler um livro à mesma velocidade de um leitor, não se cobrem se demoram meses a ler um livro, não tenham medo de desistir de um livro porque afinal não é o que esperavam (acontece tantas vezes...). E não tenham vergonha do que leem. Há milhões de histórias à espera dos leitores certos. Desfrutem do processo, seja em que ritmo, género, formato ou autor for. E se não for mesmo para vocês, está tudo bem. Não são menos por não serem leitores.

Podem acompanhar a Inês nas suas redes sociais:

14 comentários:

  1. Gostei muito desta entrevista, e vou aproveitar e espreitar o blog.
    Beijinhos

    Coisas de Feltro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fazes muito bem! :)
      Ainda bem que gostaste da entrevista!
      beijinhos

      Eliminar
  2. Não conhecia de todo a menina que falas, mas sim como é sempre bom conhecer um pouco mais de quem nunca ouvimos falar
    Beijinhos
    Novo post
    Tem post novos todos os dias

    ResponderEliminar
  3. Gostei muito de ler a vossa conversa e de conhecer a Ines :)
    Beijinhos as duas :)

    ResponderEliminar
  4. Gostei de conhecer. Vou espreitar o blog dela.
    Isabel Sá  
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
  5. Olá Marta! Não conhecia a Inês. Vou passar no blog dela! Obrigado pela partilha!

    Beijos e abraços.
    Sandra C.
    Bluestrass

    ResponderEliminar

Obrigada por lerem e comentarem, as vossas opiniões e sugestões são sempre bem-vindas!
Caso me façam questões, responderei diretamente no comentário! ❤