3 de fevereiro de 2021

Por trás dos livros #1

Hoje, dia 3 de fevereiro, nasce uma NOVA RUBRICA: Por trás dos livros. Esta pretende dinamizar o blogue “A Marca da Marta”, ou seja, mensalmente, trará uma entrevista a uma pessoa que considero, por diversas razões, inspiradora. No entanto, estas pessoas têm um ponto em comum: gostam de ler!

Assim, “Por trás dos livros” faz todo o sentido começar com a Andreia Morais, autora do blogue “As gavetas da minha casa encantada. A Andreia, para além de ter um blogue incrível, é uma verdadeira “amante” da escrita. Escreve tão bem que parece que tudo surge de forma fluente, à primeira tentativa. Já para não falar das fotografias fantásticas com que nos brinda todos os dias, captadas no momento certo.


(Fotografia da autoria da Andreia Morais)

Assim sendo e, sem mais demoras, vamos à entrevista:

1. Para quem não te conhece da blogosfera, quem é a Andreia Morais? Como te descreverias para uma plateia de desconhecidos? 


Confesso que tenho sempre muita dificuldade a responder a esta questão, porque fico a ponderar se determinada informação é relevante para os outros. Mas, depois, penso naquilo que acredito ser parte da minha essência. Portanto, se tivesse de me descrever para uma plateia de desconhecidos, diria que o meu coração é de Gaia, mas também pertence ao Porto - cidade e clube. Vivo dentro de um Moleskine viajante, com infinitos pensamentos periclitantes, e tenho o sonho de percorrer Portugal de Norte a Sul ao volante de uma Pão de Forma. Além disso, sou feita de livros e faço coleção de dedais.

 

2. Tendo em conta que acompanho o teu blogue, sei que adoras ler. Como surgiu essa paixão? A partir de que idade começaste a “devorar” livros? 


A minha paixão pela leitura surgiu tarde, como costumo dizer, porque houve uma grande parte da minha vida em que acreditei que a escrita e a leitura não se relacionavam. E, como sempre adorei escrever, os livros não eram uma prioridade. No entanto, no 10º, a minha professora de português propôs-nos contratos de leitura, nos quais teríamos de, mensalmente, apresentar uma história à turma. A minha primeira escolha foi sem rede, porém, mudou completamente a minha relação com a literatura. Na altura, escolhi «A Criança Que Não Queria Falar», de Torey Hayden, e fiquei sem palavras. Retrata uma realidade muito dura e angustiante, mas foi o impulso necessário para que eu compreendesse que os livros abrem-nos inúmeras portas. A partir desse momento, não só quis ler mais obras da autora, como também passei a querer aventurar-me noutros nomes.

 

3. O que te fascina numa obra? Há algum aspeto particular que possas destacar? 


Há um conjunto de aspetos que me fascinam: a proximidade e pertinência do enredo, o mistério implícito e o carisma das personagens. Mesmo que procure um livro para me distanciar da realidade, gosto de sentir que há pontos de contacto; que há pontos que nos fazem acreditar que aquela situação poderia acontecer. Por outro lado, também não deixa de ser interessante quando a história tem elementos surreais, que quase nos fazem duvidar da sua veracidade. Mas se o autor, através das suas palavras, nos fizer crer que é possível, então, temos uma experiência arrebatadora. Além disso, adoro obras que se colam à nossa pele, ao ponto de passarem anos - e tantas outras histórias - e nós sermos capazes de nos recordar da sua mensagem.

 

4. Qual o estilo de leitura que preferes? Romances, biografias, livros de ficção científica ou outro? 


Sinto que, de um modo geral, são os romances a conquistar maior destaque nas minhas leituras. No entanto, também adoro policiais/thrillers e quero muito aventurar-me em mais obras de poesia.

 

5. Se pudesses eleger apenas uma, qual foi a melhor obra que leste até agora e porquê? 


É muito complicado selecionar apenas uma, porque tenho vários nomes a encaixar nesta resposta - Saga «Millennium», «Como é Linda a Puta da Vida», «O Pintassilgo», entre outros. Ainda assim, pelos seus valores, pela sensibilidade, pelas aprendizagens e pelo seu caráter intemporal, destaco «O Principezinho». Será sempre uma das histórias da minha vida.

 

6. E já agora, alguma se destacou pelas piores razões ou ficou aquém das tuas expetativas? 


Sim, «A Amiga Genial», de Elena Ferrante. Era uma história que queria ler, há imenso tempo. E, tendo em conta todas as opiniões fantásticas que fui encontrando, acabei por ficar com grandes expectativas, que não foram correspondidas. Consegui encontrar pontos muito interessantes, sobretudo, na relação de amizade tão antagónica, mas estava à espera de ser arrebatada e não foi o caso.

 

7. Por curiosidade, qual a obra que estás a ler atualmente? 


Atualmente, estou a terminar «A Morte do Papa», mas, quando esta entrevista for publicada, conto estar a ler «Para Onde Vão os Guarda-Chuvas»

 

8. Por teres uma escrita tão fluente e interessante, já pensaste em escrever um livro? Se sim, podes “levantar um bocadinho o véu”? O que poderemos encontrar por lá?  


Em primeiro lugar, deixa-me agradecer-te por essas palavras tão generosas. Sim, já pensei. Aliás, é um dos meus sonhos mais antigos, mas ainda não tinha sentido que era o momento certo para me aventurar, porque, quando der esse passo, quero perceber que tenho uma ideia sustentada, que me preenche todas as medidas. Apesar disso, no ano passado, comecei a perceber que, se calhar, já não estava assim tão longe e tenho estado a trabalhar num livro de poesia.  

 

9. Por último, imagina que a pessoa que está a ler esta entrevista, não gosta de ler. Acha os livros “uma grande seca” e não lhes encontra grandes vantagens. Assim sendo, que conselho lhe darias para a fazer mudar de opinião? 


Eu já estive desse lado. Não propriamente a achar que os livros eram uma grande seca, porque nunca cheguei a esse ponto, mas porque as minhas prioridades eram outras. E está tudo bem. É verdade que os livros são veículos maravilhosos, uma vez que não só nos permitem estar informados, mas também por nos estimularem a criatividade e validarem as nossas emoções. Contudo, a leitura é demasiado preciosa para ser imposta e para ser um foco de frustração. Acredito que todos temos o nosso ritmo e que essa descoberta acontecerá com naturalidade. O único conselho que posso dar é para não desistirem, porque, muitas vezes, sentimos que a leitura não é para nós porque não encontramos o nosso género ou autores que nos cativem. Não fechem a porta em definitivo, acabarão por ser surpreendidos.

Podem acompanhar a Andreia através de algumas das suas redes sociais:

O que acharam desta nova rubrica? Já conheciam a Andreia Morais?

ass 

18 comentários:

  1. Oh, como foi bom conhecer um pouco mais essa menina, gostei dessa tua nova ideia por traz dos livros
    Beijinhos
    Novo post
    Tem post novos todos os dias

    ResponderEliminar
  2. Muito obrigada pelo convite e pelas palavras iniciais tão gentis! Adorei participar *-*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda bem, fico contente! :)
      Obrigada pela participação, Andreia!

      Eliminar
  3. Gosto mesmo muito da Andreia, é uma inspiracao diaria :) Os livros sao a melhor companhia, que o diga o meu pequenote de 4 anos que ja nao vive sem eles <3

    ResponderEliminar
  4. Gostei, até já fui espreitar e gostei tanto que serei seguidora.
    Beijinhos
    Coisas de Feltro

    ResponderEliminar
  5. Olá Marta!!
    Adoro o blog da Andreia e neste momento só lamento o pouco que tenho para me poder deleitar a ler o que a Andreia escreve!!
    A Andreia já merecia lançar um livro!!! Já lhe disse isso várias vezes!! Adorei esta tua rubrica, parabéns!!

    Beijos e abraços.
    Sandra C.
    Bluestrass

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Sandra,
      Também já lhe disse. Escreve tão bem! :D
      beijinhos

      Eliminar
  6. Adoro a rúbrica. Já sigo o blog da Andreia há algum tempo e ela nunca desilude. Tenho pena de nem sempre conseguir passar lá mais vezes, mas também a sigo no intagram para ver as fotos fantásticas dela. Fico à espera da próxima publicação!

    ResponderEliminar
  7. Olá, achei a rubrica muito gira :)

    Beijinhos :*
    omundodapequeninaaa.blogspot.com

    ResponderEliminar
  8. Olá Marta,
    Parabéns pela iniciativa desse novo quadro, é ótimo para conhecer outros leitores tão apaixonados quanto nós. Não conhecia ainda a Andreia mas já vou lá ver o blog dela.

    Beijo!
    www.amorpelaspaginas.com

    ResponderEliminar

Obrigada por lerem e comentarem, as vossas opiniões e sugestões são sempre bem-vindas!
Caso me façam questões, responderei diretamente no comentário! ❤